30 de set de 2012

TOC: TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO


 
                                         TOC: TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO

Ana Beatriz Barbosa Silva – Médica Psiquiatra

(Resumo de alguns capítulos do livro Mentes e Manias TOC: Transtorno obsessivo-compulsivo, com conceitos da autora)

.
 Segundo a autora para que os pensamentos sejam considerados obsessivos, eles devem ser desagradáveis, intrusivos, indesejáveis, repetitivos e causam  desconforto, culpa e muita ansiedade. Eles estão relacionados com o medo e ganham dimensões muito mais amplas.

 Na prática clinica diária é possível observar que as obsessões tendem a se apresentar em grupos bem característicos. Alguns envolvem medo de contaminação, dúvidas persistentes, blasfêmias religiosas, desejos agressivos, entre outros. São elas:

 Obsessão de agressão: preocupação em ferir os outros ou a si mesmo, insultar, impulsos de agredir.

 Obsessão de contaminação: preocupação constante com sujeira, germes,  contaminação por vírus e bactérias, pó, apertos de mão, medo de ser contaminado em visitas hospitalares, velórios cemitérios etc.

Obsessão de conteúdo sexual: pensamentos persistentes de fazer sexos com pessoas impróprias ou em situações estranhas, pensamentos obscenos, imagens pornográficas recorrentes, impulsos incestuosos.

 Obsessão de armazenagem e poupança: idéia fixa em colecionar ou acumular vários tipos de objetos. A pessoa não consegue desfazer-se de  qualquer coisa por achar que tudo poderá ser útil no futuro ( embalagens, papéis velhos, jornais, revistas, tampinhas de refrigerantes etc.)

Obsessão de caráter religioso: pensamentos recorrentes de escrupulosidade, blasfêmias, pecado, certo/errado, de falar obscenidades na igreja.

 Obsessão por simetria: idéias constantes de exatidão ou alinhamento de objetos, roupas, decoração etc. A pessoa tem uma sensação vaga de que é errado ou incomodo ver coisas desarrumadas e desalinhadas.

 Obsessão somática: preocupação excessiva com doenças. Sentem alguma dor no peito e já começam a pensar obsessivamente em alguma cardiopatia grave.

Obsessão ligada a dúvidas: preocupação constante com o fato de não confiar em si mesmo, como não ter certeza se fez algo direito ou se realmente realizou determinada tarefa (fechar a janela deixar uma encomenda etc.). Precisa certificar-se repetidas vezes de que está tudo bem (checam várias vezes as fechaduras das portas e as bocas do fogão).

Para afastar as idéias negativas da cabeça e certificar-se de que não será contaminada, ela trata de lavar as mãos, demorada e meticulosamente. Tais comportamentos repetitivos, cujo objetivo é diminuir a ansiedade causada pelas obsessões, recebem o nome de compulsões.

É importante destacar que a pessoa com obsessões e compulsões tem consciência de que elas são irreais e ilógicas e muitas vezes se acha idiota e tola por ter de executar seus rituais. No entanto, acaba realizando-os do mesmo jeito por não suportar a ansiedade que sente.

 Apesar de a pessoa apresentar comportamentos compulsivos com a intenção de aliviar a ansiedade e afastar o medo, o prejuízo por eles causado é muito maior do que o aparente benefício. Primeiro, porque o alivio é temporário e a ansiedade ressurgirá assim que a pessoa voltar a ser assaltada pelos pensamentos obsessivos, necessitando executar os rituais novamente. Segundo, porque essa pessoa é torturada pela dúvida interminável e, assim, por mais cuidadosamente que tenha executado o ritual, sempre ficará se questionando se esqueceu alguma coisa, obrigando-se então a fazer tudo outra vez.

                                          COMPULSÕES MAIS COMUNS


Temos sempre que ter em mente que as compulsões são o elemento comportamental de sua contraparte mental (os pensamentos). Assim, há rituais e compulsões de limpeza ou desinfecção, de checagem ou verificação, de contagem, de organização ou simetria, de colecionamento, de repetição e de atos mentais.

 Compulsão ou mania de limpeza e lavagem

  Lavar as mãos em excesso, a ponto de irritar e ferir a pele; tomar banhos intermináveis, executados com uma seqüência própria e predeterminados; usar em excesso produtos de limpeza como álcool, água sanitária, detergente, entre outros.

 Compulsão ou mania de ordenação e simetria

 São rituais desgastantes que envolvem ordenação e organização. A pessoa que sofre com isso se obriga a guardar ou arrumar determinados objetos sempre da mesma forma, na mesma posição e, geralmente, mantém alguma proporção ou simetria em relação a outros objetos. Pode haver também a simetria do toque: por exemplo, a pessoa esbarrar com o braço direito, ainda que por acaso, em local e se vê obrigada a fazer o mesmo com o braço esquerdo.

Compulsão ou mania de verificação ou checagem

 Conferir inúmeras vezes janelas, portas, botões de fogão, torneiras, bicos de gás, se o filho já chegou da escola, se o ferro está desligado, se o despertador está programado para tocar na hora certa etc.

Compulsão ou mania de contagem

Contar até dez em ordem crescente e decrescente, até cem a cada pensamento intruso e de conteúdo ruim que venha à mente etc. pode ocorrer também a obrigatoriedade de uma ação ( lavar as mãos) ter de ser repetida cinco, dez, dezoito vezes, ou qualquer outra quantidade, dependendo do pensamento mágico do paciente em relação a determinado número.

Compulsão ou mania de colecionamento

 Entulhar a casa com caixas, jornais, vidros, contas pagas, manuais, agendas antigas, laços de presente, restos de lápis, borrachas etc.

Compulsão ou mania de repetição

 Trata-se de repetições de ações menos específicas, como ligar e desligar o interruptor de luz, entrar e sair pela mesma porta, escrever a mesma frase várias vezes, apagar e reescrever, sair do quarto, ir até a cozinha e voltar diversas vezes. Quase sempre ocorrem em conjunto com outras, como ter de repetir a checagem, a lavagem e outras compulsões certo número de vezes.

 Compulsão ou mania mental

Por serem encobertos, esses rituais são praticamente impossíveis de detectar, a menos que a pessoa que os tenha concorde em falar sobre eles. São atos mentais voluntários realizados para tentar neutralizar os pensamentos geradores de grande ansiedade. Entre eles estão: rezar por horas a fio para evitar que algo ruim ocorra a alguém querido, pensar em frases, palavras, números ou símbolos aos qual a pessoa atribui significados de proteção e para afastar as idéias desconfortáveis.


Compulsões ou manias diversas

Atos supersticiosos como só vestir roupas de determinada cor, só usar branco em dias santos, não usar roxo, marrom ou preto; cuspir ao passar por esquinas com velas; usar a mesma roupa em véspera de provas ou concursos; comprar carros da mesma cor, entre outros.

As pessoas com TOC sofrem duplamente porque acham inaceitáveis  determinados pensamentos, como se obrigam a executar ¨neutralizações¨ que lhes tomam tempo, paciência e saúde, sob pena de, segundo sua ótica ansiosa, serem responsabilizados por algum acontecimento terrível. É como estar preso em um trem fantasma de pensamentos rins e ininterruptos, levando sustos a cada um deles e tendo de fazer o máximo possível para proteger a si mesmo e aos outros.
 

REFERENCIA:

SILVA, Ana Beatriz Barbosa Silva- Mentes e Manias TOC: Transtorno obsessivo-compulsivo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

Rosana Machado Mendonça, Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista, Psicanalista
 

Marcelo Mendonça: Design e Ilustrações CD do Grupo Barlavento

Marcelo Mendonça: Design e Ilustrações CD do Grupo Barlavento