5 de set de 2011

Aspectos da Psicanálise nos contos de fadas

Aspectos da Psicanálise nos contos de fadas

Karina Paolucci
Pedagoga com especialização em Educação Infantil pela Universidade Pontifícia Católica – PUC e Pós-Graduanda em Psicopedagogia

 
          


A literatura infantil e os contos de fada são relevantes para a identificação do que é bom ou mau, feio ou bonito, fraco ou forte na mente das crianças. 

A opinião de Bettelheim "os contos de fada são o que há de melhor em literatura infantil". A criança deve ter pleno entendimento dos contos de fada, por intermédio de uma estrutura simples que apresente histórias claras e personagens bem definidos em suas características pessoais, facilitando sua identificação com o bom ou mau, feio ou bonito, etc., atingindo a mente da criança, entretendo-a e estimulando sua imaginação, como nenhum outro tipo de literatura talvez seja capaz de fazer.


Os contos de fada tratam de problemas humanos universais como a solidão e a necessidade de enfrentar a vida por si só, de maneira simbólica. Neste sentido, ajudam a criança no mais difícil em sua criação: dar um sentido à vida.
Assim, contribuem para:

• a formação da personalidade, por referir-se a problemas interiores;
• sugerir soluções simples que promovam o desenvolvimento de recursos internos para que a criança possa enfrentar as dificuldades da vida envolvidas em seu crescimento.
Mas que significado tem cada conto de fada? Bettelheim faz um estudo bastante interessante sobre diversos contos:

"Adverte que cada criança absorverá um significado próprio, dependendo do momento pelo qual passa e de suas necessidades internas, sendo que um mesmo conto poderá ter significados diferentes para a mesma criança, considerando-se as diversas fases de sua vida".

Desta forma, não dá para saber qual agradará mais uma criança pelo seu significado. Ela é quem sabe o que quer ouvir.

Continuando com Bettelheim:

"Diante da leitura de um conto que os próprios pais escolheram, será fácil identificar se foi do agrado do pequeno ouvinte ou não, pela sua reação ou insistência para que lhe contem outra vez. Como o significado atinge a mente em um nível pré-consciente, mesmo sendo claro para quem o lê, não deverá ser interpretado para a criança, para que não perca seu encanto e o sabor de descobrir os caminhos para enfrentar a vida sozinha. Só ela saberá quando revelar algo que esteja fora de sua consciência".

Há quem questione os contos de fada por se referirem ao fantástico e não à realidade. Esse aspecto constitui uma vantagem, pois, segundo Bettelheim:
"facilita a compreensão das crianças por se aproximarem mais da maneira como vêem o mundo, já que ainda são incapazes de compreender respostas realistas". Não se pode esquecer que as crianças dão vida a tudo. Para elas o sol é vivo, a lua é viva, assim como todas as outras coisas.


Uma outra questão diz respeito à forma que os contos de fada influenciam profundamente no desenvolvimento das crianças, pois, no momento que passam a ter contato com esse tipo de leitura, iniciam um processo de construção do "eu". Os contos despertam a imaginação e a fantasia, possibilitando que elas façam o processo de individualização e de autovalorização. Desta forma, vão tornando conscientes, através da fantasia, as situações inconscientes.

Por isso, Bettelheim faz referência da relação que a criança estabelece entre seu crescimento e o desenvolvimento da natureza. Para ela parece natural que as plantas cresçam e a terra as alimente como fez sua mãe com o peito. Vê a terra como uma mãe ou uma deusa feminina. Neste sentido os contos de fada contribuem fazendo a ligação entre a fantasia da criança e a elaboração dos conceitos necessários para seu desenvolvimento sadio.

Bettelheim questiona e afirma que os livros ilustrados são ineficazes porque distraem e dispersam as crianças, impedem-nas de fazer o processo de elaboração da fantasia a partir da história. O ato de ler ou escutar, sem ver a ilustração, possibilita e exige da criança e dos adultos um esforço voltado ao ato de fantasiar e descrever a partir de sua imaginação:

"Os contos de fadas são importantes na medida em que permitem com que a criança, através da associação livre, faça um processo de entendimento e superação dos conflitos internos. Isso só é possível quando todos os pensamentos mágicos da criança estão personificados num bom conto de fadas, seus desejos destrutivos, numa bruxa malvada: seus medos, num lobo voraz; as exigências de sua consciência, num homem sábio encontrado numa aventura; suas raivas ciumentas, em algum animal que bica os olhos de seus arqui-rivais, desta forma, a criança começa a ordenar essas tendências contraditórias e alivia seus temores e suas angústias".
A integração do ser humano com a natureza aparece em quase todos os contos. O ser humano só consegue superar e resolver seus problemas relacionados à desintegração interna, no momento que busca na natureza, representada nos contos pelos animais que falam, pelas plantas que ouvem e emitem opinião, pela água que acolhe e dá segurança, e por tantos outros elementos que interagem com o ser humano na busca da superação dos conflitos internos.


Esta característica dos contos de fada consiste na função principal do conto, que é integrar o ser humano e mostrar caminhos frente às dificuldades. A liberdade é uma busca de superação da dependência, a segurança é a superação do medo, a esperança é a resposta frente à necessidade da independência. Assim percebemos que os contos de fada sempre finalizam com estes pressupostos otimistas e animadores, mostrando que é possível realizar as fantasias e superar a ansiedade.

Para provar isto, Bettelheim cita os contos dos irmãos Grimm, que mostram esta perspectiva de superar as dificuldades, pois na floresta escura o herói do conto de fadas freqüentemente encontra a concretização de nossos desejos e ansiedades; por outro lado, gostaríamos de ter o poder da bruxa, da fada ou da feiticeira, e usá-lo. E temos medo que os outros tenham tais poderes e os usem contra nós.

Dessa forma, deve-se compreender que as falsas esperanças freqüentemente nos atraem, quando se faz de conta que tudo que se busca é uma existência independente.

Segundo o autor, os contos de fada foram banidos, por alguns pais e educadores, do processo pedagógico e formativo, devido à interpretação equivocada do comportamento infantil. Essa interpretação, feita pelos adultos, não respeita o entendimento infantil e sim responde às dúvidas dos adultos e os protegem diante da ambivalência da personalidade infantil.

Os pais, por falta de informação, passaram a ter medo que as crianças não consigam fazer a distinção entre o real e o imaginário fantasioso. No entanto, o autor mostra e afirma que, quando sadias, elas conseguem fazer a passagem da fantasia para a realidade e encontram nos contos de fada substrato suficiente para elaborar essa transposição. A dificuldade dos adultos se encontra no entendimento sobre a verdade, pois a criança, que está desprovida de resistências, é verdadeira e direta, e por isso não omite, nem camufla a verdade. Elabora seus conceitos de verdade a partir da fantasia infantil e progressivamente vai fazendo o processo de passagem da fantasia para a verdade e, antes que a criança chegue a controlar totalmente a realidade, deve ter algum esquema de referência para aliviá-lo. Esse esquema pode ser os contos de fada.


Outro aspecto que provocou certo descrédito nos contos de fada foi a descoberta da Psicanálise e da Psicologia infantil. Estas descobertas revelaram que a imaginação da criança é violenta e ansiosa, destrutiva e até mesmo sádica. Neste sentido, a criança pode tanto amar seus pais, como odiá-los, dependendo das relações afetivas e da confiabilidade estabelecidas entre eles. A criança tem sentimentos ambivalentes com relação a seus pais. Ela não aceita como correta apenas uma visão unilateral e limitada dos adultos e da vida, mas dispõe de alternativas inconscientes, capazes de superar grandes traumas.

O inconsciente é a fonte de matéria-prima e a base sobre a qual o ego constrói o edifício de nossa personalidade.

No terreno das emoções nascem as expectativas dentro de um mundo localizado necessariamente no "mundo das crianças". Dessa maneira, estão presentes a magia, o pensamento lógico, a formação do espírito infantil. O pensamento mágico diz respeito à imaginação da criança na forma de:
• mitos;
• lendas;
• figuras de animais;


vícios;
virtudes.


Portanto, tudo o que permeia a natureza da magia e que atrai de forma espontânea a imaginação da criança.

Essa natureza mágica que os contos possibilitam também está contida em outras formas de literatura que a humanidade, desde a Antigüidade, busca para tentar compreender o sentido de sua existência e de suas emoções no cotidiano de sua vida. São os mitos e as fábulas. A respeito disso, Bettelheim afirma que há diferenças entre mito, fábula e conto, sendo que:

"O mito busca fora da realidade visível, e interna e apela para o sobrenatural na tentativa de explicar o universo, o funcionamento da natureza e a origem dos valores básicos do próprio indivíduo. As fábulas são consideradas atividades da imaginação que consistem em produzir relatos fictícios sem a preocupação de explicar a realidade. Os contos dispõem de elementos ligados aos mitos e as fábulas, porém, se distinguem pelo caráter otimista e esperançoso que transparece em sua estrutura. Os mitos envolvem solicitações do superego em conflito com uma ação motivada pelo id, e com os desejos autopreservadores do ego, gerando uma sobrecarga no indivíduo frágil e incapaz de enfrentar os deuses".

No pensamento lógico, segundo Coelho , "a literatura fantasiosa foi a forma privilegiada da literatura infantil. As forças da fantasia, do sonho, da magia, da imaginação, do mistério etc.". O maravilhoso mundo da fantasia volta-se para a literatura. Assim, a literatura infantil, por meio dos contos de fada, pode ser decisiva para a formação das crianças em relação a si mesmas.

Partindo-se dessa premissa, pode-se perceber que os contos de fada não têm simplesmente a função de divertir e distrair as crianças, mas têm também a
dimensão pedagógica e psicológica de esclarecer e integrar os sentimentos, e de elaborar conscientemente os sonhos e as fantasias infantis.


Por serem otimistas e transmitirem uma mensagem de felicidade e realização, os contos de fada se aproximam da realidade das crianças, que buscam e necessitam de imagens simbólicas.

Sobre a linguagem, Vygotsky orienta que, antes de pensamento e linguagem se associarem, existe, também, na criança pequena, uma fase pré-verbal no desenvolvimento do pensamento e uma fase pré-intelectual no desenvolvimento da linguagem. Antes de dominar a linguagem, a criança demonstra capacidade de resolver problemas práticos, de utilizar instrumentos e meios indiretos para conseguir determinados objetivos. Nessa fase de seu desenvolvimento, a criança, embora não domine a linguagem enquanto sistema simbólico, já utiliza manifestações verbais.

Quando os processos do desenvolvimento do pensamento e da linguagem se unem, surgindo, então, o pensamento verbal e a linguagem racional, o ser humano passa a ter possibilidade de um modo de funcionamento psicológico mais sofisticado, mediado pelo sistema simbólico da linguagem. A criança, na fase pré-verbal, exibe essa espécie de inteligência prática, que permite a ação no ambiente sem a mediação da linguagem.

A compreensão dos contos de fada na mente das crianças leva-as a alguns valores da conduta humana ou do convívio social. Ainda segundo Coelho,

"a Psicanálise contida através das histórias leva a criança a se identificar com o herói bom e belo, não devido a sua bondade ou beleza, mas por sentir nele a própria personificação de seus problemas infantis: seu inconsciente desejo de bondade e de beleza, e principalmente suas necessidades de segurança e proteção".
Em síntese, os contos de fada têm por objetivo mostrar a importância de sua interpretação para o entendimento do comportamento infantil, a partir da imaginação, da fantasia, da recordação e de tantas outras dimensões que se escondem atrás da completa capacidade humana de entender e encontrar sentido para a vida.


Portanto, ler e interpretar os contos de fada a partir de uma visão psicanalítica é uma das maneiras possíveis que as pessoas encontram de construir o sentido de sua existência. Conforme Coelho, "... os contos de fada podem ser decisivos para a formação da criança em relação a si mesma e ao mundo a sua volta. O maniqueísmo que divide as personagens em boas e más, belas e feias, poderosas e fracas, etc., facilita à criança a compreensão de certos valores básicos da conduta humana ou do convívio social".

Entende-se que a literatura infantil, valendo-se do modo de contar histórias, é o caminho mais apropriado de possibilitar à criança o desenvolvimento cognitivo, afetivo e social. Afinal, muitas vezes uma história poderá refletir no emocional momentâneo da criança: perdas e buscas; carências; medos; autodescobertas; afetividade e a principal de todas, a descoberta da dificuldade de ser criança.

A criação dos contos de fadas surgiu do trabalho de alguns escritores e pesquisadores que buscavam nos contos do povo e até mesmo na própria infância, a literatura.

Sobre isso, Bettelheim enfatiza que,

"explicar para uma criança por que o conto de fadas é tão cativante para ela, destrói, acima de tudo, o encantamento da história, que depende, em grau considerável, de a criança não saber absolutamente por que está maravilhada. E, ao lado do confisco deste poder de espantar, vai também uma perda do potencial da história em ajudar a criança a lutar por si e dominar exclusivamente por si só o problema que fez a história significativa para ela".


Referência bibliográfica:


BETTELHEIM, B.

A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2002.



AUTISMO




26 de novembro de 2009





Clique aqui para abrir o arquivo PDF

“O Capitão AVAPE contra o Fantasma Autismo”


Este manual foi elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da AVAPE (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria com o Projeto Distúrbios do Desenvolvimento do Instituto de Psicologia da USP, com o objetivo de informar e esclarecer as pessoas sobre o autismo.
O autismo, para fins diagnósticos, é encontrado no DSM IV-TR e na CID 10, dentro da classificação dos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento.
O conceito mais utilizada desde 2001 é “continuum autistico”, sendo também evidenciado como transtorno do espectro autista. Contudo, clinicamente, para pais e cuidadores, a linguagem coloquial de fácil entendimento usualmente utilizada é Autismo.
Por meio de uma linguagem simples e acessível, o Manual expõe as principais características de diagnóstico do autismo, que podem ser observadas pelos pais e cuidadores desde a primeira infância. Este volume abordará o que é o Autismo e como evidenciá-lo precocemente. E no próximo episódio, confira: “O Capitão AVAPE contra o Fantasma Autismo - Parte 2: o combate”.

Boa leitura,
Grupo de Saúde Mental da AVAPE



Expediente

Presidente da AVAPE:

Sylvia Cury

Editor de Arte:
Juarez Corrêa
juarezsbc@yahoo.com.br

Redação:
Grupo de Saúde Mental AVAPE (Dr. Claudio Gomes, Dr. Marcio Falcão, Dr. Francisco Assumpção, Julianna Di Matteo, Roseli Paicheco, Simone Cucolichio, Carolina Padovani).

Comitê Editorial:
Dr. Claudio Gomes, Dr. Marcio Falcão, Dr. Francisco Assumpção, Eliana Victor, Juliana Di Matteo, Roseli Paicheco, Simone Cucolichio, Carolina Padovani, Valquíria Barbosa, Gisele Achkar, Giovana Batistella.

Diagramação:
Mariana Dahrug

Avenida Brasil, 726
Jd. América - São Paulo/SP
CEP 01430-000
Tel: (11) 3055-5000
E-mail: avape@avape.org.br
www.avape.org.br






REVISTA DE NEUROPSIQUIATRIA


Revista Infanto - Revista de Neuropsiquiatria da Infância e Adolescência

Confira as vinte e duas edições completas da revista Infanto - Revista de Neuropsiquiatria da Infância e Adolescência (vinte edições regulares e duas edições especiais) publicadas no período de Setembro de 1993 (vol.1, n°1) a Dezembro de 1999 (vol.7, n°3).
Cada edição contém todo o material científico do respectivo exemplar impresso, incluindo os artigos, a capa e o editorial da edição.





www.psiquiatriainfantil.com.br/revista/edicoes



MAU COMPORTAMENTO E AGRESSIVIDADE NA INFÂNCIA

MAU COMPORTAMENTO E AGRESSIVIDADE NA INFÂNCIA
 
Susan Meire Mondoni *

 
Muitas crianças agressivas ou com mau comportamento apresentam, na verdade, um sofrimento psíquico. Ao contrário do que se pensava, os transtornos mentais podem iniciar-se já na fase infantil, sendo então bastante devastadores na vida do indivíduo.
A alteração comportamental é uma das maneiras mais comuns de a criança manifestar: tristeza, medo, ansiedade, inveja, baixa auto-estima, ou sofrimentos psíquicos de outra natureza.
É incomum que a criança consiga verbalizar seu sofrimento. Ela ainda não possui linguagem e pensamento amadurecidos para isso. Isto acontece porque a criança encontrase ainda em DESENVOLVIMENTO e, a imaturidade dos seus sistemas nervoso e emocional faz com que ela tenha muito mais manifestações corporais do que verbais.
As crianças podem tornar-se agressivas, terem queda de seu rendimento escolar ou mesmo mudarem sua "personalidade" em decorrência de um estresse emocional ou até mesmo um transtorno psiquiátrico mais sério.
O mau-comportamento deve servir de alerta aos pais, para procurarem ajuda para seus filhos. O diagnóstico e tratamento precoces podem evitar isto!
Costumamos graduar o mau-comportamento de crianças e adolescentes segundo a seguinte escala:
1. desobediência;
2. mentira;
3. roubo;
4. cabular aula;
5. fuga;
6. destruição;
7. incendiarismo;
8. abuso de drogas;
9. crueldade;
10. violência.
Esta escala descreve uma evolução do mau-comportamento em termos de gravidade e de evolução ao longo da vida, ou seja: crianças pequenas que começam a apresentar desobediência, poderão usar drogas e cometer atos violentos na adolescência.
1 - Desobediência - desobedecer significa contrariar a autoridade do outro, quer sejam os pais, professor, etc. Ela pode se manifestar de diversas maneiras:
- passividade: a criança ouve, fica quieta e faz o que quer;
- enfrentamento pela negativa: "não quero"; "não vou";
- negativismo, ou seja, agir pelo não: faz exatamente o contrário do que lhe foi solicitado.
Muitas crianças pequenas desobedientes apresentam, na verdade, o que chamamos Transtorno Opositor Desafiante: é um padrão constante e repetitivo de enfrentamento e desobediência, que acaba por interferir no desenvolvimento da personalidade da criança, tornando-a susceptível a desenvolver comportamentos mais sérios na adolescência/ vida adulta, como uso de drogas ou delinqüência.
2 - Mentira - é uma atitude voluntária de falsificar a verdade. Começa a aparecer em geral, após os 3 anos de idade. Antes disso, o que temos são fantasias e não mentiras propriamente ditas.
Existem 3 principais motivos que levam uma criança a mentir:
- quando teme alguma coisa (apanhar, por exemplo): quando as crianças não têm muita liberdade para expressarem seus sentimentos ou ações (um ambiente muito repressor e/ou violento), acabam aprendendo a mentir como forma de receberem menos punições;
- quando quer alguma coisa: ambientes que nunca gratificam a criança podem fazer com que ela passe a mentir ou até simular doenças, para conseguir o que quer;
- quando quer mostrar que conhece a falsidade: pessoas que cuidam de crianças (pais, cuidadores, professores, etc) e que possuem o hábito de mentir, inventar histórias, prometer coisas que depois não cumprirão, podem fazer com que as crianças passem a apresentar este mesmo tipo de comportamento, como espécie de imitação.
3 - Roubo - a partir dos 2 anos, a criança passa a ter noção do "meu" e do "teu"; dos 3 para 4 anos, ela passa de fato a ter noção de propriedade e, portanto, todo roubo que ela passar a realizar a partir daí, será consciente e acompanhado da noção de culpa.
Devemos avaliar o que a criança rouba: é menos grave roubar um objeto bonito e que lhe chame muito a atenção do que roubar um objeto do cotidiano, que não tenha nenhum atrativo visual. Assim, não devemos medir a gravidade do ato de roubar de uma criança pelo valor do objeto mas sim, pela compreensividade de aquele objeto ter despertado o interesse e a curiosidade daquela criança. Assim, roubar um lápis pode ser mais grave do que roubar um enfeite qualquer de cristal.
4 - Cabular aulas - mais comum em crianças maiores, a partir do 6º. ano (antiga 5ª. série) do ensino fundamental. Esta "transgressão" pode estar associada a uma série de fatores: impaciência em permanecer na sala de aula; não acompanhamento do conteúdo escolar; seguir o grupo; sentimentos de inadequação com relação aos outros colegas de classe, entre outros.
O ato de cabular aula, isoladamente, pode não ser nada de mais. Faz parte do desenvolvimento normal, principalmente na fase da adolescência, apresentar este tipo de comportamento. Cabe aos pais e à escola investigar as possíveis causas do comportamento e impedir novos episódios.
Muitas vezes, entretanto, esta é a exteriorização de algum sofrimento psíquicoemocional pelo qual a criança ou o adolescente estejam passando. A ajuda de profissionais especializados nestes problemas e nesta faixa etária, poderá minimizar possíveis conseqüências desastrosas para o futuro.
5 - Fuga - uma criança de 2 ou 3 anos pode já apresentar "escapadas" de casa: sair para ir à algum lugar. Há uma finalidade consciente, mas não há ainda uma consciência plena de "transgressão".
Na fuga propriamente dita, além de haver maior clareza, por parte da criança, sobre seu "ato transgressor", não há uma finalidade no comportamento em si. Neste sentido, ele é muito mais preocupante e pode indicar presença de doenças psíquicas ou emocionais na criança.
6 - Destruição - geralmente indica uma descarga de agressividade. A maneira como o adulto lida com isso será fundamental para a evolução deste comportamento, que poderá ser benigna, com sua extinção ou maligna, com evolução para comportamentos delinqüênciais.
Algumas doenças neurológicas ou psiquiátricas podem estar envolvidas e, crianças que apresentam episódios de destruição muito intensos ou muito freqüentes deverão ser vistas por um especialista.
7 - Incendiarismo - é a destruição pelo fogo. Pode iniciar-se numa criança, apenas como forma de ela "medir" o seu poder. Mas pode evoluir de uma maneira bastante negativa, como forma de ato vingativo, tornando-se assim um ato delinqüencial. Neste caso, estará sempre ligado a aspectos de afetividade intensa (ódio, inveja, etc) e poucos recursos para conter estes afetos.
8 - Abuso de drogas - as drogas alteram nosso estado de consciência e, em geral, trazem sensações físicas agradáveis, razão pela qual seus usuários buscam repetir seus efeitos, tornando-se assim dependentes.
Em nosso meio, é cada vez mais precoce a experimentação de substâncias ilícitas. No adolescente a experimentação, por si só, não constitui um comportamento patológico; ela está incluída numa atitude global de busca por novas experiências que lhe façam sentido, na construção de uma identidade. Entretanto, alguns fatores de risco estão associados à manutenção deste uso:
- A curiosidade natural do adolescente é um dos fatores de risco mais importantes, posto ser o que o moverá para experimentar a substância, estando assim sob risco de desenvolver dependência;
- O fácil acesso às drogas e as oportunidades de uso;
- Ser do sexo masculino (meninos experimentam mais do que as meninas);
- Influência de modismos;
- Condições familiares, tanto pelo aspecto genético (filhos de pais dependentes apresentam 4 vezes mais chance de o serem também) quanto pelos aspectos ambientais, fortemente relacionados ao início do uso;
- Uso de drogas por pais e/ ou amigos;
- Relacionamento ruim com os pais;
- Fatores internos do adolescente, como insatisfação e não-realização em suas atividades, insegurança, baixa auto-estima e sintomas depressivos;
- Baixo desempenho escolar.
O uso de drogas afeta diretamente o desenvolvimento da criança e do adolescente, principalmente com relação às funções cognitivas (capacidade de raciocinar, aprendizagem, etc), capacidade de julgamento, humor e os relacionamentos interpessoais. Quanto mais precoce o início do uso, maiores serão as deficiências nestas áreas.
9 - Crueldade - aqui, o impulso destrutivo não é movido pela emoção violenta, mas sim pelo prazer que o indivíduo sente em ver o sofrimento alheio, quer seja de outra pessoa ou um animal. Quanto menor a idade da criança, mais grave serão as conseqüências deste tipo de atitude em seu desenvolvimento.
10 - Violência e conduta anti-social - crianças e adolescentes com comportamentos violentos e "anti-sociais" recorrentes apresentam o que chamamos "Transtorno de Conduta". Dentre suas características, destacam-se:
- tendência permanente para apresentar comportamentos que incomodam e perturbam;
- envolvimento em atividades perigosas e até mesmo ilegais;
- não apresentam sofrimento psíquico ou constrangimento com as próprias atitudes;
- não se importam em ferir os sentimentos das pessoas ou desrespeitar seus direitos;
- não possuem capacidade de aprender com as conseqüências negativas dos seu próprios atos.
O transtorno de conduta está geralmente associado ao baixo rendimento escolar e a problemas de relacionamento com colegas.
É importante lembrar que crianças vítimas de violência podem apresentar comportamentos anti-sociais como reação de estresse.
O tratamento para todos estes transtornos acima citados requer, muitas vezes, as abordagens psicoterápica, medicamentosa ou ambas. Sua duração é, em geral, bem menor que o tratamento do adulto e, quanto mais cedo for iniciado, menor a chance de evoluir para um transtorno crônico na vida adulta, com necessidade de tratamento para o resto da vida.
* Psiquiatra da Infância. Mestranda do Instituto de Psicologia da USP

Projeto Distúrbios do Desenvolvimento do Laboratório de Saúde Mental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP)
Fonte;Artigo disponível em:http://disturbiosdodesenvolvimento.yolasite.com/resources/MAU%20COMPORTAMENTO%20E%20AGRESSIVIDADE%20NA%20INF%C3%82NCIA.pdf

27 de ago de 2011

Celulite é acúmulo irregular de gordura e pode sumir com exercícios

Celulite é acúmulo irregular de gordura e pode sumir com exercícios.


Quando anunciamos na internet que o tem

O ginecologista José Bento, consultor do programa, explicou que a celulite nada mais é que um acúmulo irregular de gordura. Por isso, sua maior recorrência é nas áreas em que há mais gordura no corpo feminino, que são as coxas e as nádegas.
Para combatê-la, as mulheres têm que ficar de olho em três aspectos: alimentação – o refrigerante, por exemplo, causa celulite –, hormônios – algum desequilíbrio hormonal pode ser o responsável – e, principalmente, atividade física.
Como a celulite é gordura, praticar exercícios regularmente é uma ótima prevenção. Para isso, o professor de educação física Luís Mochizuki aponta que não existe queima de gordura localizada, toda perda de gordura é geral.
Exercícios localizados servem, sim, para fortalecer a musculatura. No caso dos glúteos, um jeito simples de fazer isso é subir escadas. O preparador físico José Rubens D’Elia, que também é consultor, conta que o ciclismo e a natação – desde que a pessoa bata as pernas – são ótimos para esses músculos.
Para quem não tem condições de fazer nenhuma dessas atividades, D’Elia ensinou um agachamento, que pode ser feito duas ou três vezes por semana, se a pessoa estiver sem condicionamento.

Fonte:http://glo.bo/nhUwhg

Atividade física, relaxamento e novo estilo de vida tratam dor de cabeça

Atividade física, relaxamento e novo estilo de vida tratam dor de cabeça


Depois do Bem Estar desta segunda -feira (22), o
Depois do Bem Estar desta segunda -feira (22), o neurologista Marcelo Calderaro falou sobre predisposição genética à enxaqueca, o que pode começar já na infância ou na adolescência. Indivíduos com maior propensão – algo mais comum em mulheres – podem ter crises com fatores desencadeadores como hormônios, tensão, alimentos ou jejum prolongado.

Na menopausa e durante a gravidez, a enxaqueca tende a diminuir, mas o contrário também pode acontecer.
Problemas de estômago (como úlcera, gastrite e refluxo), fígado, coluna ou visão costumam ser inocentes como motivadores de dor de cabeça.
A localização da dor ajuda no diagnóstico, mas isoladamente não tem tanto valor, disse o médico. O vômito pode fazer parte do quadro clínico da enxaqueca, mas não deve ser estimulado, porque é capaz de causar outros problemas.
Dores de cabeça súbitas são um sinal de alarme e devem ser investigadas por um profissional. Se houver outros sintomas, como alteração de consciência, paralisia ou dificuldade para falar, o alerta é ainda maior.
Alimentos muito gordurosos, salsicha e comida chinesa podem eventualmente provocar crises de dor de cabeça em pessoas predispostas, mas não precisam ser retirados da dieta, na opinião de Calderaro.
O neurologista destacou, ainda, o "boom" de estudos científicos sobre vitamina D, que a relaciona com a prevenção de inúmeras doenças – de Alzheimer a problemas cardiovasculares.
Bonés, tiaras e capacetes podem ser causas pontuais de dor de cabeça, mas apenas durante o uso. Cefaleia tensional é o principal motivo do problema na população e, ao contrário da enxaqueca, não é latejante nem incapacita para as atividades, é difusa (não se localiza em uma região específica) e não piora com exercícios físicos.
Técnicas de relaxamento, atividade física e orientações de estilo de vida são cuidados que podem ser recomendados pelo médico na prevenção e no tratamento da dor de cabeça. Tomar mais de três analgésicos por mês já demanda visita a um profissional para evitar a cronificação do problema e um possível vício.
Na sequência, a dentista Daniela Gonçalves falou
Na sequência, a dentista Daniela Gonçalves falou sobre alterações na dentição, siso e saúde bucal como causas ou não de dor de cabeça.

A dor da disfunção da articulação temporomadibular (ATM) pode ser contínua, não apenas na hora da fala ou da mastigação.
O tratamento pode incluir o uso de uma placa rígida (a mesma usada contra o bruxismo) e exercícios.

 Fonte:http://glo.bo/mWbtIV

ALERGIA RESPIRATÓRIA

Alergia respiratória ocorre quando corpo reage a agentes externos


Limpeza e organização não servem só para deixar


Limpeza e organização não servem só para deixar a casa bonita para as visitas. Varrer o chão, passar pano nos móveis, arrumar a cama, tudo isso é importante para a saúde. O pó acumulado irrita o nariz de muita gente: é a alergia respiratória.

Como você pode ver no quadro abaixo, a alergia é uma reação do corpo contra a poeira, o mofo, ou qualquer outro agente que nosso sistema de defesa identifique como um intruso.
arte alergias (Foto: arte / G1)
Além de deixar a casa bem limpinha e de tomar todos os cuidados descritos, é preciso ficar atento a outros objetos que acumulam poeira, como bichinhos de pelúcia, cortinas e cobertores.
Os cobertores, aliás, podem ser um problema mai
Os cobertores, aliás, podem ser um problema maior, pois junto com o frio vem o tempo seco do inverno. A baixa umidade resseca o muco que protege as vias respiratórias, que fazem parte da defesa do organismo. Com o muco seco, mais agentes externos chegam até o pulmão.

Em caso de crises, os médicos recomendam o uso de antialérgicos. A longo prazo, bombinhas à base de cortisona são indicadas, pois desinflamam a superfície e protegem as vias aéreas.
pois junto com o frio vem o tempo seco do inverno. A baixa umidade resseca o muco que protege as vias respiratórias, que fazem parte da defesa do organismo. Com o muco seco, mais agentes externos chegam até o pulmão.

Rinite, asma e gripe
No frio, também é comum ter gripe, uma doença bem diferente das alergias, já que é causada por um vírus. Porém, os sintomas se confundem com os da rinite alérgica.
Nos dois casos, a pessoa espirra muito e fica com o nariz entupido e escorrendo. Ao contrário da rinite, a gripe provoca tosse e febre. Por outro lado, a rinite causa coceira nos olhos e no céu da boca, e a gripe não.
Existe ainda a asma de origem alérgica, que é uma inflamação crônica das vias aéreas. Os músculos dessas áreas se alteram diante de estímulos como pó e cheiro de produtos químicos. Ela pode levar a tosse, chiado no peito e dificuldades para respirar.
fonte:http://glo.bo/qzxQbY

VALOR CALÓRICO DOS ALIMENTOS

Prestar atenção no valor calórico dos alimentos ajuda a manter o peso.

 


Muitas vezes, consumimos alimentos que são verdadeiras bombas calóricas disfarçadas, enquanto outros não engordam tanto quanto parecem. E é importante ficar de olho nessas quantidades para não ultrapassar o valor diário recomendado: 2 mil calorias para as mulheres e 2.500 para os homens, em média.
Para falar sobre somas, trocas, ajustes e equilíbrios calóricos, o Bem Estar desta quarta-feira (3) contou com a presença do endocrinologista Alfredo Halpern e da nutricionista Mônica Beyruti.
No Jogo da Equivalências das Calorias, o programa mostrou 25 alimentos, e um casal participante teve que acertar o valor calórico de cada um.
outros não engordam tanto quanto parecem. E é importante ficar de olho nessas quantidades para não ultrapassar o valor diário recomendado: 2 mil calorias para as mulheres e 2.500 para os homens, em média.

Uma das convidadas foi a professora de dança Sueli Costa, de 53 anos, que foi bailarina clássica durante anos, hoje é porta-bandeira há 16 anos e há 8 carrega o pavilhão oficial da escola de samba paulistana Rosas de Ouro. Ela se preocupa com a aparência: vai à esteticista, malha e faz de tudo para melhorar o corpo por fora e também por dentro. Uma vez por ano, marca consulta no médico para um check-up completo.
No café da manhã, por volta das 9h, Sueli come meio pãozinho ou duas bisnaguinhas e café com leite. Também gosta de presunto e queijo puros, sem pão. No almoço, opta por feijão. Massas, só uma vez por semana. Ela também adora verduras e legumes: alface, rúcula, tomate seco e abobrinha, além de champignon.

Ela e o marido, Osmar, trabalham à noite e, por isso, o jantar é uma refeição fundamental para o casal. Ela costuma preparar arroz, feijão, macarrão, frango, churrasco ou carne cozida. Também gosta de batata frita, mas só fora de casa, e é viciada em suco de melancia.
Já o marido e empresário Osmar Costa, de 50 anos, leva uma vida sedentária e estressante: passa o dia inteiro sem se alimentar e come muito à noite. Procura dormir 7 horas por noite, mas reconhece que é difícil. No café da manhã, toma apenas um cafezinho preto. No almoço, não costuma comer nada, e começa a trabalhar por volta do meio-dia. À tarde, raramente come algo no escritório, só quando sente fome.
No jantar, ele pega pesado, apesar de Sueli sempre se preocupar em preparar uma salada. De vez em quando, Osmar come sanduíches em lanchonete, mas dificilmente fast food e salgadinhos. Prefere comida na chapa e não bebe nada de álcool há 16 anos: apenas água, refrigerante e café. Também não gosta de leite nem de suco, mas não dispensa um queijinho nem consegue voltar do supermercado sem uma caixa de bombom. Depois das refeições, sempre procura algum doce. E diz que não se preocupa com rótulos nem com calorias.
saiba mais:
Valor calórico dos alimentos
Salgados
- Misto-quente = 340 calorias
- Meio pão na chapa com manteiga = 230 calorias
- Pão de queijo = 220 calorias
- Empadinha de palmito = 200 calorias
- Pipoca de panela (1 xícara) = 70 calorias
- Salgadinhos (1 xícara) = 100 calorias
- Macarrão instantâneo (1 pacote) = 400 calorias
- Bife grelhado (100 g) = 170 calorias
- Filé de frango grelhado (100 g) = 100 calorias
- Filé de peixe grelhado (100 g) = 100 calorias
- Filé de peixe à milanesa (100 g) = 265 calorias
Doces
- Bolo de chocolate (pedaço médio, sem recheio nem cobertura) = 350 calorias
- Pudim de leite (1 fatia média) = 240 calorias
- Bombom (20 g) = 110 calorias
- Brigadeiro pequeno = 60 calorias
- Leite condensado (1 colher de sopa) = 50 calorias
- Biscoito recheado (unidade) = 40 calorias
- Bolacha água e sal (unidade) = 20 calorias
- Meio mamão papaia = 50 calorias
- Açaí com granola (1 tigela de 200 g com granola) = 250 calorias

Líquidos

- Suco de laranja sem açúcar (200 ml) = 120 calorias
- Café com leite e açúcar (1 xícara) = 120 calorias
- Água de coco (200 ml) = 40 calorias
- Suco de uva (1 caixinha) = 110 calorias
- Leite integral (1 copo de 200 ml) = 115 calorias
- Leite desnatado (1 copo de 200 ml) = 60 calorias
- Cuia de chimarrão (200 ml) = 20 calorias
- Refrigerante (1 copo) = 80 calorias
- Chopp (300 ml) = 120 calorias
- Vinho tinto (1 taça de 120 ml) = 100 calorias achocolatado (200 ml) = 200 calorias
Quantidade diária recomendada
Homem
Café da manhã – 500 calorias
Lanche da manhã – 250 calorias
Almoço – 750 calorias
Lanche da tarde – 250 calorias
Jantar – 750 calorias
Total: 2.500 calorias
Mulher
Café da manhã – 400 calorias
Lanche da manhã – 200 calorias
Almoço – 600 calorias
Lanche da tarde – 200 calorias
Jantar – 600 calorias
Total: 2.000 calorias

Pensando Leve
De férias, a família Silva foi passar um dia na praia. Mas nem assim descuidou da balança. O preparador físico José Rubens D'Elia acompanhou a aventura dessa turma em Santos, no litoral paulista.
Fonte:http://j.mp/oaymoZ

Excesso de pressa prejudica 30% dos trabalhadores brasileiros

Excesso de pressa prejudica
30% dos trabalhadores brasileiros


Cardiologista Roberto Kalil explicou efeitos ao coração de viver correndo.
Psiquiatra Luiz Vicente de Mello falou sobre outros sintomas do problema.
Ter pressa de vez em quando, para comparecer a um compromisso urgente, é normal. Mas, quando a corrida contra o relógio vira rotina, pode ser sinal de alerta.
Essa sensação de ser atropelado pelo tempo atinge 30% dos trabalhadores brasileiros. E o comportamento de estar sempre atrasado pode prejudicar o sono, a sede, a temperatura corporal, a frequência cardíaca, a pressão e até a respiração.

Para comentar o assunto, o cardiologista Roberto Kalil e o psiquiatra Luiz Vicente Figueira de Mello, do Hospital das Clínicas de São Paulo, estiveram presentes no Bem Estar desta terça-feira (23).

Eles explicaram por que a pressa deixa as pessoas mais competitivas e agressivas, inclusive no trânsito, e como relaxar em meio a essa constante luta contra as horas.

E esse não é um problema exclusivo de megalópoles como São Paulo. O repórter Renato Biazzi foi até Goiânia para ver como as pessoas lidam com a pressa e as tarefas diárias.

É possível identificar se esse comportamento está passando dos limites. Se você faz tudo correndo (come, anda, fala, dirige e dorme), faz várias coisas ao mesmo tempo, é muito impaciente (não aguenta ouvir alguém falar sem interrompê-lo, não sabe esperar ou não tolera quem vive com você), tem excesso de competitividade e de agressividade (perde o controle facilmente e parte para o ataque), cuidado: é preciso se acalmar.
Algumas dicas importantes para melhorar são: priorizar o que é realmente importante; dizer não para pedidos impossíveis; fazer pausas, meditação, orações, leituras, caminhadas e exercícios leves; e falar sobre os problemas.
Os especialistas recomendaram, ainda, fazer uma lista com as atividades indispensáveis e dividi-las ao longo do dia e da semana.
Segundo o psiquiatra, a pressa e a ansiedade podem ser uma tendência familiar e também um comportamento estimulado pelo meio em que se vive.
A longo prazo, a pressa e o estresse desorganizam o corpo, aumentam a ansiedade e podem causar problemas cardíacos ou gastrointestinais.
Fonte: http://glo.bo/pDRMsj

20 de jun de 2011

COMER DOCES TAMBÉM É NECESSIDADE FÍSICA

08/06/2011 10h33 - Atualizado em 09/06/2011 15h17
Vontade por doces não é só tentação, mas necessidade física, diz médico

Bem Estar desta quarta-feira (8) convidou o ginecologista José Bento.
Preparador José Rubens D'Elia passou exercícios para queimar calorias.


Do G1, em São Paulo

A vontade de comer doces não é apenas uma tenta

A vontade de comer doces não é apenas uma tentação: tem uma explicação fisiológica. O açúcar é o alimento dos neurônios, as células cerebrais. E, para se manter vivo, o corpo humano precisa dessa substância.

Após 5 minutos sem glicose, uma pessoa morre. E a fraqueza pode ser um sinal de alerta. Para explicar que o desejo por doces é mais do que gula, mas uma necessidade, o Bem Estar desta quarta-feira (8) convidou o ginecologista José Bento.

Segundo o médico, 60% da dieta deve ser composta por carboidratos, que podem ser sob a forma de frutas, doces ou pães e massas. A cada década, o metabolismo de cada indivíduo cai cerca de 5%, o que faz com que haja ganho de peso. Por isso, no estúdio, o preparador físico e consultor José Rubens D'Elia passou uma série de exercícios para queimar as calorias adquiridas.
.
Glicose (Foto: Arte/G1)
A atividade física melhora o condicionamento das células preguiçosas e acelera a absorção do açúcar. Além disso, quanto menos doce comemos, menos ficamos viciados. Para mudar esse hábito, porém, pode-se levar até três meses. Para se ter uma ideia, uma colher de chá tem quase 100 calorias.
Muitas vezes, a glicose dá uma sensação de prazer e felicidade, além de funcionar como uma defesa contra o estresse. Isso ocorre porque ela mexe com neurotransmissores, como a dopamina e a serotonina, ligados a esses sentimentos. Tanto o açúcar dos doces quanto o dos carboidratos (como massas, pães e biscoitos) tem esse efeito – a diferença é que o primeiro chega à corrente sanguínea muito mais rápido.
Depois do almoço ou jantar, a vontade de comer doces cresce porque os alimentos mais pesados demoram a ser processados, e o corpo continua com fome. A lembrança ou a visualização de algo gostoso aumenta ainda mais esse desejo. Uma dica é ingerir uma fruta pouco antes das refeições.
Quando caem no sangue, os doces produzem um pico de insulina. E logo vem aquela sensação de energia, mas em pouco tempo a fome volta. Nessa hora, se a pessoa não tomar cuidado, pega mais um bombom ou algo do gênero. E é assim que o pâncreas se acostuma a produzir altos níveis de insulina.
A resistência a esse hormônio, no caso de obesos e diabéticos, eleva a vontade por doces porque as células não recebem glicose, que fica retida no sangue, e portanto continuam "famintas". Além disso, no frio, o corpo produz mais calor e gasta mais energia, motivo pelo qual o apetite por doces e gorduras sobe.
Pensando Leve

Pensando Leve
A manicure Alexandra Silvério, de 35 anos, continua no desafio de perder peso e mudar de hábitos. Ela conta com sua força de vontade e a ajuda de um médico incentivador, o nutrólogo Eric Slywitch.

Alexandra tem 1,65 m e está pesando 135 quilos: já perdeu cinco. Mas ainda faltam outros 67 para chegar ao patamar ideal. Os exames dela apontam falta de vitamina B12, importante para os neurônios. A taxa de ácido fólico também está baixa, o que pode prejudicar a formação de células novas. Outro risco que a manicure corre é pelo excesso de plaquetas no sangue, que podem entupir os vasos e causar uma trombose.

Aos poucos, Alexandra começa a comer arroz integral, folhas verdes cruas e legumes refogados. Em decorrência de pedras na vesícula, o médico recomenda que a paciente acrescente um pouco mais de gordura boa à alimentação, como a do azeite de oliva, um óleo vegetal.

Quando a vontade por doces bate, a manicure faz uma gelatina ou pudim diet de caixinha. Mas o nutrólogo recomenda produtos mais naturais e frutas. Cinco porções por dia são o ideal para reacostumar o corpo a um açúcar saudável. No blog Pensando Leve, Alexandra conta como resistiu a um bolo floresta negra.

Para enganar a fome por doces, o nutrólogo Eric Slywitch sugere duas receitas gostosas e menos calóricas:

Calda de ameixa com passas
 Ingredientes
4 ameixas pretas desidratadas sem caroço (30 gramas)
3 colheres de sopa de uva passa
1 colher de sopa de fécula de batata
2 bananas
Água
Modo de preparo
Coloque, em uma xícara de 200 ml, as ameixas pretas lavadas e a uva passa. Adicionar água até encher a xícara. Deixe de molho da noite para o dia, para hidratar as frutas secas. Ponha todo esse conteúdo no liquidificador e adicione 1 colher de sopa de fécula de batata. Bata bastante.
Coloque essa mistura em uma panela e leve ao fogo. Ao começar a ferver, reduza a chama do fogo ao mínimo e deixe cozinhar por 10 a 15 minutos, sempre mexendo com uma colher de pau.
Descasque as bananas, corte-as em rodelas, e leve-as ao forno por 15 a 20 minutos. Após retirar as frutas, coloque a calda por cima.
Serve 2 pessoas e também pode ser consumida com frutas secas.
Calorias totais: 372 kcal ou 186 kcal por pessoa.
Calda de cacau com açúcar mascavo
Ingredientes
1 colher de sopa de cacau em pó (puro)
2 colheres de sopa de açúcar mascavo
1/2 xícara de água (ou chá de erva cidreira ou erva doce)
1 banana
Modo de preparo
Leve todos os ingredientes ao fogo, em uma panela pequena. Cozinhe até virar uma cada (poucos minutos). Descasque a banana, corte-a em rodelas, e leve-a ao forno por 15 a 20 minutos. Após retirar a banana, coloque a calda por cima.
Serve 1 pessoa e também pode ser consumida com frutas secas.
Calorias totais: 186 kcal.
Caso a vontade não passe, saiba qual o valor calórico de cada doce:*
1 trufa: 89 kcal
1 maria mole pequena: 165 kcal
1 brigadeiro: 96 kcal
1 cajuzinho: 102 kcal
1 quindim (80 g): 314 kcal
1 pé de moleque (20 g): 46 kcal
1 sonho (85 g): 573 kcal
1 porção de arroz doce (100 g): 164 kcal
1 porção de canjica (200g): 226 kcal
1 banana passa: 15 kcal
1 bomba de chocolate: 187 kcal
1 colher de sopa de cobertura de chocolate:128 kcal
1 fatia de doce de leite (50 g): 158 kcal
1 taça de musse de chocolate (150 g): 333 kcal
1 paçoca (30 g): 114 kcal
1 pamonha: 135 kcal
1 rapadura (50 g): 84 kcal
1 suspiro pequeno (10g): 37 kcal
* Fonte: Universidade Estadual Paulista (Unesp)

O USO DO PRESERVATIVO

20/06/2011 10h42 - Atualizado em 20/06/2011 12h27
Camisinha é o único modo de evitar Aids e outras DST's

Bem Estar desta segunda (20) convidou a educadora Marta McBritton.
Infectologista Caio Rosenthal também falou sobre transmissão de doenças.


Do G1, em São Paulo

A Aids é uma doença sexualmente transmissível (
DST) que compromete o sistema imunológico do corpo humano. A melhor prevenção é o uso da camisinha, que é muito simples e bem difundido, mas, na prática, nem todo mundo usa. Em quatro das cinco regiões brasileiras, a doença mostra tendência de aumento.
A repórter Marina Araújo foi a uma universidade conferir se os jovens têm camisinha nas bolsas e mochilas, e a maioria não tem. Alguns admitiram, inclusive, que não usam porque têm parceiros fixos, mas que não fizeram exames antes de abrir mão do preservativo.
No estúdio do Bem Estar desta segunda-feira (20), o infectologista Caio Rosenthal e a educadora Marta McBritton falaram sobre a importância do uso dos preservativos para evitar as DST’s.
arte aids (Foto: arte / G1)
A transmissão dos vírus dos tipos B e C da hepatite é mais comum que a do HIV, vírus causador da Aids. O Ministério da Saúde estima que cerca de 3 milhões de brasileiros tenham esses vírus, embora apenas 11 mil estejam em tratamento. A doença pode provocar câncer no fígado e levar à morte.
Outra DST que, sem tratamento pode até levar à

Outra DST que, sem tratamento pode até levar à morte é a sífilis. A estimativa oficial é de que 937 mil pessoas contraiam essa doença por ano, no Brasil. Os primeiros sintomas são feridas na genitália e na virília. Essas feridas, chamadas de cancro duro, não doem e surgem entre duas e três semanas depois da transmissão.
Já a gonorreia, que também é sexualmente transmissível, provoca um corrimento amarelado, que mancha a calcinha ou a cueca. Ela se manifesta entre e sete e dez dias depois do ato e é facilmente curável.
Os preservativos são distribuídos gratuitamente nos postos de saúde. A única alternativa à camisinha tradicional é a camisinha feminina. Menos conhecida, ela é colocada dentro da vagina. Lubrificantes sexuais também são distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Se você quer ter certeza de que não está contaminado, o exame de HIV é muito rápido. Uma amostra de sangue é retirada e o resultado sai em vinte ou trinta minutos. Com o mesmo sangue, dá para fazer os testes para sífilis e hepatite, que ficam prontos em 15 dias. O resultado é sigiloso, só o paciente fica sabendo.
FONTE:http://glo.bo/llqP0M

SÍNDROME DO PÂNICO

      QUER SABER MAIS ACESSE: http://glo.bo/jmbUL3

Noticias do Cérebro

Notícias do Cérebro

TDAH no Brasil, o que a Folha de SP não mostrou

Dom, 22 de Maio de 2011 16:33 MARCO ANTÔNIO ARRUDA
Imprimir PDF
folhasp2011cabecO Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é o transtorno neuropsiquiátrico mais frequente da infância e se caracteriza por sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade (1). Esse transtorno neurobiológico, uma das condições médicas mais estudadas na infância, provoca um expressivo impacto (prejuízo) na vida do portador, de sua família e da sociedade o que o torna um problema maior de Saúde pública em todo o mundo (3).
Última atualização em Dom, 22 de Maio de 2011 19:04 
 fonte: site: www.aprendercriança.com.br 
 

15 de mai de 2011

DIET OU LIGHT?

Diet ou light?
Os alimentos diet e light podem ser aliados da boa forma — ou vilões. Para que seu regime não derrape, conheça as armadilhas escondidas no rótulo desses produtos
Por Marjorie Zoppei e Carolina Cardoso // Ilustrações F. Scomazzon
 
 
 
 
 
 
Há contraindicações para o consumo desses alimentos?
Laticínios semidesnatados são contraindicados para crianças e adolescentes. De acordo com a presidente da Associação Gaúcha de Nutrição, a nutricionista Jacira Conceição dos Santos, nos semidesnatados são retiradas partes das vitaminas lipossolúveis que o leite integral contém, como as vitaminas A, E e D, indispensáveis para a fixação do cálcio nos ossos da moçada em fase de crescimento. Pelo mesmo motivo, recomenda-se que adultos com risco de desenvolver osteoporose consumam laticínios integrais.
Refrigerante zero é light ou diet?
Nos últimos anos, as indústrias de bebidas alteraram o rótulo dos refrigerantes, trocando o termo “diet” pelo “light”. A Coca-Cola Light, por exemplo, é a antiga Coca-Cola Diet. Como o açúcar continua eliminado da fórmula, a bebida ainda pode ser considerada dietética. A confusão dos consumidores ficou ainda maior com a chegada da variedade Zero. Sua receita é quase idêntica à da light e também livre de açúcar — o que muda é a combinação dos adoçantes. Mesmo assim, trata-se de dois produtos direcionados para públicos diferentes (aqueles que têm restrição alimentar ou querem apenas economizar na caloria).
Alimento diet, com isenção de açúcar, é indicado somente para diabéticos?
Eles não são tão vantajosos para quem não sofre da doença, mesmo que em alguns casos auxiliem na redução de peso. Isso porque, para compensar a retirada completa do açúcar sem prejuízo do sabor, acrescentam-se à fórmula ingredientes como sódio. Além disso, outro adoçante corriqueiro nessas fórmulas é o sorbitol, derivado da glicose e da frutose, bastante calórico. “Em excesso, a ingestão do sorbitol causa diarreia. Por essa razão, só deve ser consumido sob orientação de um profissional”, explica Patricia.
Quem tem colesterol alto deve comer alimento light?
Nesse caso, recomenda-se o consumo de alimentos light com redução de gordura saturada e com teor zero de gordura trans — a exemplo dos laticínios desnatados. Outra opção é a substituição de alimentos ricos em gordura saturada, como o óleo de soja, sorvete ou comida congelada, por gorduras consideradas de boa qualidade, como as do tipo monoinsaturada encontradas no azeite, abacate e castanhas.
Grávidas e crianças podem consumir produtos light e diet?
Adoçantes como aspartame, sacarina, sucralose, ciclamato e sorbitol, que para alguns ainda são vistos como vilões, já começam a ter defensores. “Pesquisas recentes indicaram que, para fazer mal a uma grávida, esses produtos precisam ser consumidos em doses exageradas, como um vidro por dia”, argumenta a nutricionista Cynthia Antonaccio, especialista em comportamento alimentar e diretora da Equilibrium Consultoria e Nutrição, em São Paulo. Para não colocar suas pacientes em risco, as especialistas sugerem alimentos à base de sucralose, único adoçante artificial derivado do açúcar, com menor quantidade de aditivos químicos. Para as crianças, as versões light e diet são recomendas apenas em caso de diabetes ou obesidade. Os pequenos que ingerem esses produtos desordenadamente podem sofrer com disfunção no rim ou no fígado, por exemplo, por causa dos resíduos tóxicos dos adoçantes artificiais. Uma boa saída, segundo Daniela Jobst, é substituir o açúcar refinado pelo mascavo ou o mel.
Há contraindicações para o consumo desses alimentos?
Laticínios semidesnatados são contraindicados para crianças e adolescentes. De acordo com a presidente da Associação Gaúcha de Nutrição, a nutricionista Jacira Conceição dos Santos, nos semidesnatados são retiradas partes das vitaminas lipossolúveis que o leite integral contém, como as vitaminas A, E e D, indispensáveis para a fixação do cálcio nos ossos da moçada em fase de crescimento. Pelo mesmo motivo, recomenda-se que adultos com risco de desenvolver osteoporose consumam laticínios integrais.

Refrigerante zero é light ou diet?
Nos últimos anos, as indústrias de bebidas alteraram o rótulo dos refrigerantes, trocando o termo “diet” pelo “light”. A Coca-Cola Light, por exemplo, é a antiga Coca-Cola Diet. Como o açúcar continua eliminado da fórmula, a bebida ainda pode ser considerada dietética. A confusão dos consumidores ficou ainda maior com a chegada da variedade Zero. Sua receita é quase idêntica à da light e também livre de açúcar — o que muda é a combinação dos adoçantes. Mesmo assim, trata-se de dois produtos direcionados para públicos diferentes (aqueles que têm restrição alimentar ou querem apenas economizar na caloria).

Alimento diet, com isenção de açúcar, é indicado somente para diabéticos?
Eles não são tão vantajosos para quem não sofre da doença, mesmo que em alguns casos auxiliem na redução de peso. Isso porque, para compensar a retirada completa do açúcar sem prejuízo do sabor, acrescentam-se à fórmula ingredientes como sódio. Além disso, outro adoçante corriqueiro nessas fórmulas é o sorbitol, derivado da glicose e da frutose, bastante calórico. “Em excesso, a ingestão do sorbitol causa diarreia. Por essa razão, só deve ser consumido sob orientação de um profissional”, explica Patricia

Quem tem colesterol alto deve comer alimento light?
Nesse caso, recomenda-se o consumo de alimentos light com redução de gordura saturada e com teor zero de gordura trans — a exemplo dos laticínios desnatados. Outra opção é a substituição de alimentos ricos em gordura saturada, como o óleo de soja, sorvete ou comida congelada, por gorduras consideradas de boa qualidade, como as do tipo monoinsaturada encontradas no azeite, abacate e castanhas.
Grávidas e crianças podem consumir produtos light e diet?
Adoçantes como aspartame, sacarina, sucralose, ciclamato e sorbitol, que para alguns ainda são vistos como vilões, já começam a ter defensores. “Pesquisas recentes indicaram que, para fazer mal a uma grávida, esses produtos precisam ser consumidos em doses exageradas, como um vidro por dia”, argumenta a nutricionista Cynthia Antonaccio, especialista em comportamento alimentar e diretora da Equilibrium Consultoria e Nutrição, em São Paulo. Para não colocar suas pacientes em risco, as especialistas sugerem alimentos à base de sucralose, único adoçante artificial derivado do açúcar, com menor quantidade de aditivos químicos. Para as crianças, as versões light e diet são recomendas apenas em caso de diabetes ou obesidade. Os pequenos que ingerem esses produtos desordenadamente podem sofrer com disfunção no rim ou no fígado, por exemplo, por causa dos resíduos tóxicos dos adoçantes artificiais. Uma boa saída, segundo Daniela Jobst, é substituir o açúcar refinado pelo mascavo ou o mel
Entre as gôndolasPerdida em meio a tantas opções diet e light no supermercado? Quatro nutricionistas recomendam os alimentos a seguir*
Pães e cereais
1| Vitta Natural Light 100% Integral Linhaça e Cenoura — NutrellaAlém da linhaça e da cenoura, leva farinha de trigo integral, que contém mais vitaminas, fibras, proteínas e minerais do grão. Cada fatia tem 36 calorias. Tel. 0800 7024626

2| Pão Light 100% Integral 12 Grãos — PullmanCom 49 calorias por fatia, contém semente de girassol, trigo, centeio, milho, gergelim, aveia, linhaça, quinoa, farelo de milho, soja e farinha de aveia. Tel. 0800 7024626

3| Barra de cereais Gergelim e Quinoa — LevittaContém aminoácidos essenciais, como lisina e metionina, que ajudam a potencializar a atividade cerebral e a manter a memória ativa. Possui 37 calorias. Tel. 0800 6441866

4| Barra de cereais com soja sabor Brownie — Woman CareCom 95 calorias para cada porção de 25 g, fornece componentes essenciais como fibras, vitaminas e minerais. Fonte de lecitina de soja, ameniza os efeitos da TPM. Tel. 0800 7016966


* Vanessa Leite, nutricionista especializada em psicologia do emagrecimento, de Porto Alegre, Daniela Jobst, Patrícia Davidson e Cynthia Antonaccio.
Entre as gôndolasPerdida em meio a tantas opções diet e light no supermercado? Quatro nutricionistas recomendam os alimentos a seguir*
Biscoitos, sobremesas e achocolatado
5| Biscoito Combina com Seu Dia 3 Cereais — Nestlé
Com apenas 92 calorias por pacote de 126 g, tem 69% de redução da gordura saturada quando comparado ao biscoito de gergelim tradicional. Tel. 0800 7702457

6| Biscoito Magic Toast Light — Marilan
Fonte de fibra (0,9 g) e proteínas (2,8 g), cada porção de 30 g conta com apenas 86 calorias e zero de colesterol. Tel. 0800 116933

7| Cookie Diet Integral Sabor Banana — Vitao
Cada porção de 30 g é rica em fibra (3,2 g), zero em colesterol e tem redução de sódio (82 mg) e açúcares (0,6 g). Tel. 0800 7226510

8| Chocolate Talento Intense Nuts — Garoto
Possui 55% de cacau, rico antioxidante que livra seu corpo de radicais livres. Cada tablete de 25 g contém 133 calorias. Tel. 0800 559550

9| Bolo Americano Light com Nozes e Damasco — Fin’Arte
Com 130 calorias por fatia — 35% menos do que a versão tradicional —, contém apenas açúcar proveniente das frutas, sem aditivos químicos. Tel. (11) 3819 8192

10| Achocolatado Diet Gold — Gold Nutrition
O produto não leva sódio e colesterol na composição. Possui 35 calorias para cada 9 g. Tel. 0800 7016966.
Sucos
11| Suco de Uva — Aurora
Não tem adição de água, corantes, açúcar, adoçantes e corretivos químicos. É o primeiro suco a conseguir o selo da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Tel. 0800 7014555

12| Suco de Pêssego Premium Light — Dafruta
Com 36 calorias para cada 200 ml, fornece 50 mg de vitamina C, mais de 110% da recomendação de consumo diário. Tel. 0800 0813022

13| Suco de Cranberry Light — Juxx
Em embalagem longa vida, cada 200 ml da bebida oferece 60 mg de vitamina C, 30% além da recomendação diária da OMS. Tel. (11) 4134 1600 Laticínios

14| Iogurte Natural Desnatado — Nestlé
Rico em probióticos, que ajudam a manter o intestino saudável, é boa fonte de proteínas (7,7 g) e conta com apenas 79 calorias por pote. Tel. 0800 7702457

15| Becel Pro.Activ Bebida Láctea — Unilever
Enriquecido com fitoesterois, promete reduzir o nível de colesterol do sangue em aproximadamente 10%. Tel. 0800 7079944

16| Leite Condensado Light Moça — Nestlé
Com 0% de gordura, possui 55 calorias para cada colher de sopa (20 g), 25% menos do que a versão normal. Tel. 0800 7702457

Congelado, refrigerado e itens para cozinhar
17| Atum Sólido Light — Gomes da Costa
Com 60 calorias para cada 100 g, o peixe é conservado em água, reduzindo a quantidade de gordura de 3,6 g para 1 g. Tel. 0800 7041954

18| Maionese Light — Hellmann’s
Cada colher (sopa) do produto contém 30 calorias, ante 40 da versão original. Não possui gordura trans. Tel. 0800 7079977

19| Creme Vegetal Becel Pro.Activ — Unilever
Possui 35% de gordura e 0% de gordura trans, com aprovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e da Federação Mundial do Coração (WHF). Tel. 0800 7079944

20| Hambúrguer de Proteína Vegetal Vita Soja — Sadia
Cada unidade de 80 g fornece 3,7 g de fibra e 1,28 mg de ferro. Tel. 0800 7028800

21| Leite de Coco Light — Ducoco
Com baixíssimo teor de sódio (5,6 mg para cada 15 ml), tem zero de colesterol e apenas 13 calorias por porção Tel. 0800 139933

22| Sal Mais Minerais Light — Cisne
Tempero com redução de 50% do teor de sódio, é fonte de seis minerais essenciais: magnésio, zinco, selênio, iodo, potássio e cálcio. Tel. 0800 177667

23| Molho de Tomate Light com Manjericão — Sapori
Conta com a redução de 25% de calorias (24 cal) e sódio (191 mg) para cada porção de 60 g. Tel. 0800 7737799











 Fotos: Istockphoto (Modelo), Divulgação (Stills)
Fonte: Rvista Women'shalth.