15 de mai de 2011

STRESS PARA O BEM

Quando o stress vem para o bem

O stress, como todo mundo sabe, faz um mal danado. mas em pequenas doses traz benefícios: combate o envelhecimento, ajuda a galgar posições no trabalho e, quem diria, equilibra a vida amorosa. Revelamos como atingir a equação perfeita

Por Carolina Botelho
Engarrafamento, bronca do chefe, desilusão amorosa, semana de prova, rombo na conta. Seu organismo reage com sintomas comuns nessas situações — ansiedade, nervosismo, insônia, ganho de peso, queda na resistência, dores musculares, cefaleia e envelhecimento acelerado. Essas sensações podem ser resumidas numa só palavra: stress, conjunto de reações desenvolvido pelo organismo em momentos que exigem esforço de adaptação. Se o lado negativo do stress você já conhece bem, está na hora de conhecer o positivo. Sim, existe um, que a ajuda a ultrapassar limites, turbinar a carreira e, quem diria, melhorar a vida amorosa. Outro efeito comprovado é o fortalecimento do sistema imune. Num estudo da Universidade de Ohio, nos EUA, camundongos submetidos a um rápido e intenso stress ficaram mais fortes para enfrentar uma gripe. Os pesquisadores associaram o resultado ao ser humano, que, sob efeito semelhante a curto prazo, tem reduzidos os ricos de desenvolver diabetes, doenças do coração, câncer e Alzheimer.

O motivo? Quando seu sangue ferve, o corpo entra em estado de atenção e dispara o sistema imunológico para protegê-la contra infecções. Para combater a produção de radicais livres e de hormônios como o cortisol, que arruínam o corpo, o organismo recruta a equipe de limpeza. “Se o stress é severo ou prolongado, você não consegue se recuperar”, afirma o neurocientista Mark Mattson, do National Institute on Aging, nos EUA. “Mas, se tem vida curta, o sistema imunológico se livra dos sinais e continua tendo energia suficiente para se reerguer todos os dias.” Além de levá-la adiante, o stress de baixa intensidade — como aquele que você sente ao tentar completar uma palavra cruzada de nível avançado ou ao chegar a uma festa na qual só conhece o anfitrião — prolonga a vida e freia o envelhecimento acelerado. “Ao agilizar o processo de recuperação de doenças, por tabela o stress breca o envelhecimento”, diz Edward Masoro, professor do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas, nos EUA. Tire bom proveito do seu.

Faça um calendário
Você sabe quando está tensa — mas não exatamente quanto. Para saber qual é a sua linha tênue entre o stress do bem e o do mal, faça um calendário. Diariamente, dê uma nota de 1 a 10 para a potência da sua angústia. Se você marcar cinco ou mais pontos por mais de dois dias seguidos, é hora de tentar algumas das táticas a seguir para se sentir aliviada.

Estimule-se com o novo
Desafios mentais, físicos ou psicológicos geram o bom tipo de stress. Chegou a hora de encarar algo que você sempre quis mas do qual teve medo: escalada, curso de mandarim, voo de asa-delta. Saia da rotina, observe a natureza e dedique-se aos amores da sua vida — família, namorado, amigos, bichos de estimação. “Realize tarefas fora do contexto diário”, sugere Denise Diniz, coordenadora da área de gerenciamento de stress e qualidade de vida da Unifesp. “O jeito mais fácil é recriar sua rotina.” Não se esqueça de periodicamente incluir novos desafios, pois a novidade de ontem pode fazer parte do passado hoje. Cuide da rotina
Em certos momentos da vida, a agenda está tão entupida que não conseguimos deixar tarefas de lado para realizar o sonho de pular de paraquedas. Mesmo no auge da ansiedade, porém, é possível transformar o stress negativo no benéfico. No fim de um dia atribulado, faça um balanço do que você realizou. Assim, seu cérebro recebe a informação de que a vida está sob controle e você restaura o equilíbrio. O segundo ponto é organizar as atividades para o dia seguinte, sem afobação. Use e abuse da tecnologia: smartphone, Outlook e celular — a jurássica agenda de papel também resolve.

Seja perfeccionista
Refazer qualquer coisa é chato, seja uma planilha de Excel, seja o arroz que virou carvão na panela. É tempo perdido e trabalho dobrado pela frente. “Quem quer viver só com o stress bom precisa se concentrar nas atividades para ser o mais assertiva possível e, assim, ter tempo livre para relaxar”, avisa Denise. A ordem aqui é perfeição para ser feliz.

Transpire na academia
Atividades físicas aliviam a ansiedade, como comprovou a pesquisadora Elissa Epel, da Universidade da Califórnia, nos EUA. Segundo Elissa, pouco mais de 40 minutos de exercício de alta intensidade, três ou mais dias da semana, colocam os ânimos em ordem. Aposte na corrida, no treino de bike e na musculação. Mas cuidado com o efeito rebote. “Quando se está trabalhando muito, o stress do trabalho irá se somar ao do treinamento”, afirma o treinador Marcello Butenas, de São Paulo. “E essa combinação pode ser péssima.” Caso a vida esteja muito atribulada, diminua o ritmo dos treinos.

Aposte em ervas
A planta medicinal cava-cava (Piper methysticum), encontrada na Malásia e ilhas da Polinésia, ganhou fama mundo afora como um ansiolítico natural: combate agitação, ansiedade, angústias e estados de tensão. Uma análise de 12 estudos feita entre 1974 e 2005 comprovou a eficácia da planta quando comparada a placebos. Se consumida entre uma e 24 semanas, a cava-cava trata a ansiedade sem efeitos colaterais, afirma a pesquisa, feita pelo grupo inglês Cochrane Depression, Anxiety and Neurosis.

Inclua melão no cardápio
A fruta alivia a ansiedade, segundo uma pesquisa com 70 voluntários realizada pela Universidade Henri Poincaré, na França. A conclusão do estudo indicou que o suplemento derivado da enzima superóxido dismutase, contida no melão, diminuiu os sintomas de nervosismo e fadiga. “Metade das pessoas que ingeriram a substância mostrou sinais de melhora, o que evidencia a ligação entre o stress psicológico e o oxidativo intracelular”, afirma a pesquisadora Marie-Anne Milesi.

Faça algo que sempre quis mas do qual teve medo, como voar de asa-delta

O STRESS do mal
Ele afeta os domínios sociais, físicos e psicológicos. Fique atenta aos sinais

Fisiológicos
Curto prazo: aumento da produção dos hormônios catecolamina e cortisol, que elevam o risco de pressão arterial. Longo prazo: hipertensão arterial, doenças cardíacas, úlceras, asma, gastrite e insônia.

Psicológicos
Curto prazo: ansiedade, tristeza, irritabilidade e insatisfação no trabalho. Longo prazo: transtornos de ansiedade, quadros de depressão e burnout.

Comportamentais
Curto e longo prazos: rupturas de relacionamentos, fobia social, incapacidade de dialogar e escutar, absenteísmo no trabalho e consumo de bebidas.

O STRESS do bem
Em doses moderadas, o stress traz diversos benefícios

Trabalho
Faz com que você utilize suas capacidades no limite, produzindo mais e melhor. Com isso, a possibilidade de promoções sobe bastante.

Esporte
Auxilia no desenvolvimento de aptidões físicas e na promoção do bem-estar

Relacionamento amoroso
Facilita a adaptação do casal e faz com que você vivencie a relação mais naturalmente, aumentando a chance de quesitos como afetividade, sexualidade e companheirismo funcionarem harmoniosamente.

Amizade e relacionamento familiar
Torna as relações mais respeitáveis e faz com que se dê mais valor à amizade
Fonnte Revista Womenshealt.



Nenhum comentário:

Postar um comentário